Distúrbio Comportamental do Sono REM e o Desenvolvimento de Demência

Pesquisadores da Clínica Mayo descobriram que o mais forte preditor para saber se um homem está desenvolvendo Demência com Corpos de Lewy (DCL), a segunda forma mais comum de demência em idosos, é se ele tem sonhos vívidos durante o sono. Os pacientes têm cinco vezes mais chances de ter DCL quando vivenciam uma condição conhecida como Distúrbio Comportamental do Sono REM , o RBD (REM Behavior Disorder), uma parassonia, do que se tiverem um dos fatores de risco utilizados atualmente para o diagnóstico, tal como alucinações ou cognição flutuante, segundo o estudo.

“Embora, é claro, seja verdade que nem todos os portadores deste distúrbio do sono desenvolvam Demência com Corpos de Lewy, cerca de 75 a 80 por cento dos homens com este tipo de demência de nosso banco de dados manifestaram o RBD. Sendo assim, pode ser considerado um marcador muito poderoso para a doença”, diz a principal pesquisadora, Melissa Murray, PhD, neurocientista da Clínica Mayo, na Flórida.

Os resultados foram apresentados na reunião anual da Academia Americana de Neurologia, em San Diego. O Distúrbio Comportamental do Sono REM é causado pela perda da paralisia muscular normal que ocorre durante o sono REM e pode manifestar-se em homens por três décadas ou mais, antes de um diagnóstico de Demência com Corpos de Lewy, relatam os pesquisadores. A ligação entre a Demência com Corpos de Lewy e tal distúrbio do sono não é tão forte entre as mulheres, acrescentam.

Os pesquisadores da Clínica Mayo, em Minnesota e na Flórida, liderada pela Dra. Murray, analisaram imagens de Ressonância Nuclear Magnética (RNM) com varreduras do cérebro de 75 pacientes diagnosticados com provável Demência com Corpos de Lewy. A confirmação da probabilidade de demência foi feita após exames de autópsia cerebral.

As histórias dos pacientes foram checadas para ver se os RBDs foram diagnosticados enquanto estavam em acompanhamento na Mayo. Usando estes dados e os scans cerebrais, houve correspondência entre o diagnóstico definitivo de RBD com o diagnóstico definitivo de Demência com Corpos de Lewy cinco vezes maior do que isso poderia corresponder com os fatores de risco, tal como a perda de volume cerebral, agora utilizado no auxílio ao diagnóstico. Os pesquisadores também demonstraram que a baixa probabilidade de demência em pacientes de Lewy que não tinham o distúrbio do sono apresentavam achados mais característicos da Doença de Alzheimer.

As conclusões do estudo podem melhorar o diagnóstico da demência e, portanto, beneficiar seu tratamento, diz a Dra. Murray.

“A triagem para o RBD em um paciente com demência pode ajudar a diagnosticar tanto a Demência com Corpos de Lewy, quanto a Doença de Alzheimer”, diz ela. “Por vezes, pode ser muito difícil concluir a diferença entre estas duas formas de demência, especialmente na fase inicial, mas verificou-se que apenas 2 a 3 por cento dos pacientes com Doença de Alzheimer têm uma história deste distúrbio do sono.”

Referência:

Lynn Celmer
“Acting out dreams linked to developing dementia”
sleepeducation.com

Publicado por: pmarsiglio