Sonolência Diurna Excessiva

O sono é uma função biológica e a sonolência é definida como uma probabilidade aumentada para dormir.

Já a Sonolência Diurna Excessiva (SDE), ou hipersonia, refere-se a uma propensão aumentada ao sono associada a compulsão subjetiva para dormir, tirar cochilos involuntários e ataques de sono.

A sonolência diurna excessiva e os distúrbios do sono são muito prevalentes em nossa sociedade atual.

Em 1990, nos EUA, 200 mil acidentes de automóveis foram causados por cochilos ao volante. Um terço de todos os acidentes fatais com motoristas de caminhões é relacionado à SDE ao dirigir. As causas, oficialmente determinadas de grandes desastres como o do Exxon Valdez, Bhopal, Challenger, Chernobyl e Three Mile Island ocorreram por impedimento de julgamento e desempenho relacionados à sonolência.

A SDE traz prejuízo no desempenho escolar, no trabalho, nas relações familiares e sociais, alterações neuropsicológicas, cognitivas e risco aumentado de acidentes.

Por muito tempo, o sintoma de SDE foi atribuído à depressão, apatia, lassidão ou característica de personalidade preguiçosa e negativa.

Deve ser distinguida da fadiga e apatia, condições associadas com uma variedade de doenças médicas e psiquiátricas (Esclerose Múltipla, Lupus, Câncer, Infecções, Doença de Parkinson, Acidentes Vasculares Cerebrais, Síndrome da Fadiga Crônica, Fibromialgia, Depressão, entre outras).

A fadiga é referida como cansaço, falta de energia e exaustão. É geralmente induzida por excesso de atividades e aliviada em grande parte pelo repouso.

A SDE é acompanhada de uma diminuição da capacidade de trabalho físico e/ou mental e tem, muitas vezes, alívio incompleto ao repouso ou após o sono, geralmente associada a distúrbios do sono.

A presença de fadiga e/ou SDE pode predizer doenças psiquiátricas ou mesmo representar um prognóstico pior destes quadros.

As principais causas de SDE são:

1. Privação Crônica de Sono

2. SAOS

3. Narcolepsia

4. Síndrome das Pernas Inquietas/Movimentos Periódicos de Membros (SPI/MPM)

5. Distúrbios do Ritmo Circadiano

6. Drogas e Medicações

7. Hipersonia Idiopática

Do ponto vista do desempenho cognitivo, diversas são as alterações que podem ser relacionadas a prejuízos decorrentes de distúrbios do sono, dentre elas: dificuldade em fixar e manter a atenção; prejuízo de memória; prejuízo na capacidade de planejamento estratégico; prejuízo motor leve, mais relacionado à coordenação motora fina (agilidade e precisão); dificuldade em controlar impulsos e raciocínio obnubilado.

Todo nosso funcionamento mental é integrado; se existe prejuízo em alguma função, o desempenho de outra área pode estar afetado em maior ou menor grau. Diversas destas funções encontram-se rebaixadas em situações de fadiga e sonolência diurna excessiva.

O tratamento da SDE deve ser específico para a causa subjacente. A qualidade inadequada de sono deve ser abordada com medidas de higiene de sono, para que o equlíbrio se restabeleça e haja um sono restaurador .

Referência:

“Excessive Daytime Sleepiness”
Rev Bras Psiquiatria 2005; 27(Supl I):16-21