Pesadelos

Os pesadelos envolvem uma sequência de sonhos perturbadores e provocam os despertares. São considerados como parassonias, pois constituem eventos indesejados que ocorrem durante o sono.

O Transtorno de Pesadelo desenvolve-se quando estes eventos acontecem de forma bastante recorrente. A ansiedade e o medo causam dificuldade no relaxamento para voltar a dormir. O indivíduo começa a se preocupar toda noite se vai ter outro pesadelo, fica com a eficiência do sono prejudicada e, consequentemente, passa a apresentar muita sonolência durante o dia.

Os pesadelos parecem muito reais e tornam-se mais preocupantes na medida em que se desdobram. Tendem a manifestar emoções de ansiedade, medo, terror, raiva, constrangimento, nojo e outros sentimentos negativos.

O conteúdo dos sonhos muitas vezes abrange grandes perigos, podendo também conter outros temas angustiantes e até o mesmo tema. Normalmente, o indivíduo lembra-se claramente dos detalhes do pesadelo ao acordar. Um sonho perturbador sem o despertar não é considerado um pesadelo, mas apenas um “sonho ruim”.

Durante a noite, a cada 90 minutos encerra-se um ciclo de sono. Geralmente são completados de quatro a seis ciclos de sono por noite. Cada ciclo tem cinco estágios e o quinto estágio é chamado de sono-REM (Rapid Eyes Movement), que representa cerca de 20-25% do tempo total de sono.

No primeiro ciclo, o estágio REM tende a durar apenas alguns minutos, porém vai ficando mais longo com o avanço da madrugada. O último período de sono REM ( no quinto ou sexto ciclo ) pode durar por volta de uma hora. Isto significa que os  pesadelos são mais prevalentes ​​ no último terço da noite.

O Transtorno de Pesadelo pode ser confundido com o Terror Noturno e o Distúrbio Comportamental do Sono REM(RBD). Uma pessoa que tem o terror noturno geralmente emite gritos, dá chutes e parafusos pela cama, sendo muito difícil acordá-la e, quando isso acontece, o indivíduo acorda muito confuso e lembra-se apenas de fragmentos do sonho. Já o RBD tem a ver com os sonhos vívidos e pode resultar em danos físicos, sendo mais comum em homens de meia idade.

Os Pesadelos começam em qualquer idade, geralmente antes da criança chegar aos seis anos de idade. Cerca de 75% delas recorda ter tido pelo menos um ou alguns pesadelos durante a infância. Estima-se que 10% a 50% das crianças de três a cinco anos de idade têm pesadelos graves, o que causa preocupação aos pais. Em crianças, os pesadelos tendem a atingir um pico aos 10 anos de idade e, depois disso, diminuem.Cerca de 50% a 85% dos adultos tem pesadelos, pelo menos de vez em quando. Eles tendem a se tornar menos frequentes e intensos com a idade. Mulheres adolescentes e adultas relatam pesadelos mais frequentemente do que homens adolescentes e adultos.

O tratamento consiste, em grande parte das vezes, no aconselhamento e psicoterapia. Estes métodos ajudam a resolver os conflitos e causas subjacentes que produzem os pesadelos, na medida em que processam os pensamentos e sentimentos ali vivenciados. Uma terapia mais intensiva pode ser necessária para pessoas cujos pesadelos são resultados de um evento traumático em suas vidas.

Gerir o stress é uma maneira importante de ajudar a controlar os pesadelos, além de técnicas de relaxamento, principalmente quando eles bloqueiam a capacidade de voltar a dormir, reduzindo-se então a ansiedade e a tensão emocional daquele momento indesejado.

Referência:

Donald R. Townsend
“Nightmares”
Yoursleep.aasm.org

 

Labels:Sono, Parassonias